Ganhar Dinheiro Como Freelancer

Ganhar Dinheiro Como Freelancer

Ganhar Dinheiro Como Freelancer

Quer ganhar dinheiro como freela? Primeiro é preciso se tonar um deles. A razão para se tornar um freela (como são chamados carinhosamente os freelancers) são variadas. Quer uma? Por uma emergência recorrente, o desemprego. Na gana de obter um dinheirinho, ser um “autônomo da hora” surge como uma opção oportuna de sobrevivência.

Quer mais uma? Os jovens, por conta da falta de oportunidade de ocupação no mercado de trabalho ou por uma preferência de conciliação com os estudos na faculdade, até que se termine o curso e possa seguir sua profissão para o qual foi graduado.

Uma vez li num artigo de jornal uma frase de um economista, que não me lembro do nome: “No Brasil, trabalha-se dos 25 aos 35 anos. Antes dos 25 anos o candidato é considerado novo demais. Após os 35 anos o candidato é considerado velho demais”.

O fracasso nos impulsiona para o sucesso. Inclusive sendo freela.

Tirando esse prognóstico pessimista, o fato é que ser frella pode se transformar na profissão, no ganha pão de muita gente.

Aliás, a definição desse trabalhador por conta própria no dicionário informal da net é a seguinte: “Palavra inglesa que significa: pessoa que presta serviços profissionais autônomos, especialmente para a imprensa e publicidade”.

Apenas um complemento, há muito tempo que esse “especialmente para a imprensa e publicidade” deixou de revelar a realidade. O mundo digital extrapolou totalmente essa “especialidade”, assim como escrever artigos para jornais e afins era imediatamente relacionado a uma atividade principal desse operário oportuno.

Vêm mais definições. A internet não perdoa. Olha o que eu achei a respeito desse profissional: Serviços de pequenas entregas/pagamentos rápidos, ajudância geral rápida.

  1. desempregado;  2. aquele que vive de bicos;  3. qualidade daquele que está matando cachorro a gritos. Jorge “pediu demissão”, agora está de free-lancer.

Como se lamenta a juventude, aí vai um aff! Acontece que as coisas se evoluem.

Ué, se, por falta de oportunidade no mercado de trabalho, um jovem se embarafustar por essa atividade, ganhando muita experiência, se especialize numa determinada área, torne-se “o cara” e se der bem, se profissionalizando e ganhando o suficiente para a sua mantença… Qual o problema?

Nesse caso, teremos mais um “freella” profissional no mercado. Há muitos deles, sabia?

Henrique Pochmann, do blog Aparelho Elétrico, identifica esse artífice padrão como “aquele que atende diversos clientes, que trabalha a partir de casa, ou do seu escritório ou ainda a partir de uma cafeteria ou outro local que possibilite trabalhar adequadamente”.

A seguir, mais duas definições do Pchmann:

Freelancer Alocado

É aquele que trabalha in loco. Ele não faz parte do staff efetivo da companhia, e é acionado somente quando a empresa precisa dar vazão a um aumento repentino de demanda. Geralmente é pago por diárias e fica transitando de uma empresa para outra. Este tipo de funcionário é bastante comum nas agências de propaganda.

Trabalhador Remoto

Geralmente é um funcionário, que por muito tempo, trabalhou dentro de uma empresa e mostrou resultados. Assim, se sentiu a vontade para negociar o direito de trabalhar a partir de casa. Mas continua sendo um funcionário contratado, que trabalha exclusivamente para esta empresa.

Então, vamos logo respondendo essa perguntinha cabulosa, e preconceituosa. Ganha-se dinheiro exercendo essa função. E ficar rico? Bom…

Depende da atividade laborativa em que você se dispôs a ser esse pelejador. Com uma formação de pós-graduado, de doutorado ou pós-doutorado, e sendo essa formação num ramo de conhecimento que te encaminhe para um nicho cuja demanda é excelente.

Alguns ofícios, baseado na lei da oferta e da procura, são mais valorizados que outros. Torne-se uma referência numa prática, na qual há escassez de disponibilidade, e, com certeza, terá muitas chances de ganhar muito dinheiro, fazendo algo personalíssimo, como os artistas, artesões, etc.

Percebeu a amplitude que essa ocupação pode exercer? Não dá para abordar tudo. Separei em duas categorias. Aquelas que se executam dentro (arte e designer) e as que se realizam fora da internet (no campo). Vamos enumerá-los, pelo menos, os principais:

1 – Para o mercado digital 

  • Realizar a tarefa de verificação do posicionamento dos sites, chamado SEO, que aponta o ranking.
  • Criando e-books para produtores de plataformas, como a Hotmart, por exemplo
  • Assumir a direção de monitoramento de redes sociais, avaliando a presença do cliente junto ao público.
  • Trabalhar no desenvolvimento de aplicativos da web e dispositivos móveis
  • Responsabilizar-se pela escrita criativa de uma edição
  • Apresentar-se como redator publicitário web
  • Traduzir textos
  • Configurar formatação de sites
  • Realizar tratamentos fotográficos
  • Editar vídeos
  • Assumir a direção de campanhas GoogleAdwords
  • Confeccionar ilustrações
  • Responsabilizar-se pela realização de trilhas sonoras
  • Dirigir e desenvolver apresentações de PowerPoint
  • Assumir direção de Projetos

2 – Fora do mercado digital

  • Cuidar de atendimento dos clientes de uma empresa
  • Como um afiliado de empresas, vendendo produtos para elas
  • Para exercer diversas atividades complementares numa empresa
  • Escrevendo artigos para periódicos
  • Trabalhando como afiliados para plataformas
  • E tudo aquilo que possa ser exercido de forma autônoma

A criatividade é companheira constante do frella. E ganhar dinheiro se sustenta no exercício dessa palavrinha. Portanto, seja um freelancer e ganhe muito dinheiro, se quiser.

Wendson Fonseca | Website

Wendson é especialista em Construção de Negócios Digitais e em impulsionar pessoas comuns a criarem o negócio dos seus sonhos na internet.

Ferramentas De PRODUTIVIDADE para seu NEGÓCIO Online

Ebook 30 Ferramentas Para Seu Negócio!
Seu Email esta 100% seguro.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!